Capa
Volume 39 / Fascículo 3
Novembro 2016
Conteúdo restrito a subscritores

Foi no longínquo mês de Outubro de 1946 que J. Xavier de Brito, Rómulo de Carvalho, Armando Gibert e Lídia Salgueiro lançaram o primeiro número da revista. Fizeram-no com as seguintes palavras: “A Gazeta de Física tem por primeiro e grande objectivo contribuir activamente para o desenvolvimento e elevação dos estudos de Física em Portugal em todos os graus de ensino, assim como para o esclarecimento dum público mais vasto sobre a posição real da intervenção da Física na vida moderna e sobre a acção do nível científico dos físicos e técnico-físicos no ritmo e na independência do progresso industrial do nosso País.”


Neste artigo, explora-se a singularidade e a raridade da fase líquida enquanto forma de organização da matéria.

Começa-se por passar em revista algumas das propriedades dos líquidos, relacionando-os com os sólidos e os gases através de ideias básicas da Termodinâmica e da Física Estatística, as quais permitem compreender a estabilidade destas diferentes fases, bem como as transições entre elas. Seguidamente, discute-se que propriedades devem ter as forças interatómicas ou intermoleculares para que um determinado tipo de matéria apresente uma fase líquida. Finalmente, descreve-se trabalho de modelação que mostra como se pode “desligar” a fase líquida em materiais feitos à medida.


Os buracos negros são provavelmente dos objectos mais misteriosos no Cosmos, levando as leis da física ao limite. Actualmente existe um número crescente de evidências experimentais de que o Universo está povoado por estas entidades. No centro da nossa galáxia, a Via Láctea, reside um buraco negro supermassivo denominado Sagitário A*. O que veria alguém que olhasse para um? E o que é a “sombra” de um buraco negro?
Este artigo procura responder a estas questões.


A Física é uma ciência experimental: todos os conceitos físicos têm de ser verificados experimentalmente antes de os aceitarmos como leis da natureza. No estudo dessas leis, das mais simples às mais complexas, queremos muitas vezes determinar como uma quantidade que estamos a medir depende de outra. Muitas vezes essa dependência é linear ou pode ser linearizada, como por exemplo, a variação do período de um pêndulo com o comprimento de um fio, da diferença de potencial aos terminais de uma resistência com a corrente elétrica que a percorre, da temperatura crítica de um supercondutor com o campo magnético aplicado, do número de partículas alfa que volta para trás ao atingir uma folha de ouro em função da espessura dessa folha, da energia cinética máxima de fotoeletrões em função da frequência de luz incidente em superfícies metálicas, etc.


Este estudo pretendeu verificar se as conceções dos professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico estão de acordo com as descritas na literatura e se a realização de uma formação em atividades práticas de Astronomia, planificadas de forma interdisciplinar, com materiais acessíveis e passíveis de transposição para a turma, constitui uma resposta para o problema identificado. Os vários registos elaborados permitiram concluir que a implementação de atividades práticas de cariz investigativo despertou a curiosidade, contribuiu para o desenvolvimento de pensamento criativo e possibilitou a construção de ideias cientificamente aceites. Assim, pode dizer-se que os professores superaram algumas das dificuldades sentidas, quer ao nível conceptual, quer ao nível do ensino experimental de ciências.


Talvez já tenhas reparado que os aparelhos de ar condicionado estão geralmente instalados perto do teto, e os de aquecimento central próximo do chão. 
Se nunca pensaste neste problema, faz um levantamento em tua casa, na escola e noutros edifícios que visites. Anota onde estão montados os aparelhos de ar condicionado e os aquecedores. Chegas a alguma regra geral? Afinal de contas, os aparelhos
de ar condicionado são frequentemente utilizados tanto para baixar a temperatura duma sala no verão, como para a aquecer no inverno. Será que esta solução é eficiente? Sabes como podemos decidir qual é o local ideal para instalar qualquer um destes
aparelhos?


© 2016 Sociedade Portuguesa de Física