Capa
Volume 6 / Fascículo 3/4
Fevereiro 1979
Conteúdo restrito a subscritores

Escrever uma nota de reabertura após (mais) uma interrupção de edição pode ser um tributo a pagar a certo tipo de debilidade de estruturas. Mas é também uma oportunidade de reafirmar a confiança num próximo regime de equilíbrio. Como as organizações congéneres de países em desenvolvimento a SPF (ainda) sofre de dificuldades estruturais que impõem pesado sacrifício a todos os que vóluntariam o seu quase nulo tempo disponível, ao serviço de algo em que crêem e de que não tiram benefícios directos. Compreender essas dificuldades e restrições não implica, porém, que se pactue com a mediocridade. Esta nota marcando o reaparecimento da Gazeta de Física pretende ser a expressão desse inconformismo.


Faz-se a descrição e interpretação duma experiência que pode ser realizada com-dois pêndulos e um sistema simplificado de registo das suas trajectórias, e que permite verificar algumas leis fundamentais da Mecânica. Os resultados experimentais baseiam-se no registo das trajectórias dos pêndulos, feito por pincéis embebidos èm tinta e adaptados a cada esfera. Na análise destes resultados teve-se o cuidado de marcar segmentos que melhor se adaptassem ao traço, de certa espessura, registado directamente. O erro, necessariamente introduzido por - tal processo, poderá ser corrigido por um sistema mais complexo de registo. Pretende-se fio entanto tornar a experiência acessível a alunos do Ensino Secundário de escolas com parcos recursos laboratoriais. 


Realizou-se um teste de Física do tipo escolha múltipla para alunos finalistas do Curso Complementar dos Liceus no ano escolar de 1976-1977. Os resultados da análise de uma amostra de cerca de 500 estudantes pertencentes a várias escolas põem em destaque alguns aspectos importantes. Neste trabalho discutem-se esses aspectos bem como as suas implicações tanto no ensino de Física no Liceu como no ensino de Física nos cursos universitários de engenharia.


Referem-se variadas situações que no laboratório exigem o emprego de correntes eléctricas altamente estáveis, analisando potencialidades e limitações das fontes electrónicas correntes, das fontes com amplificação servo- -foto-eléctrica, pilhas e acumuladores. Chama-se a atenção para a existência de um método prático extremamente simples, barato e eficaz, baseado numa associação conveniente de acumuladores (de Pb, por exemplo) que permite obter correntes estáveis a menos de 2/107 por minuto, em circuitos cuja resistência total se possa tomar na prática como constante. Apresentam-se testes de uma tal unidade, construída localmente e ensaiada nas condições acima referidas. 


Noticiário


© 2019 Sociedade Portuguesa de Física